quarta-feira, 19 de junho de 2013

Etapas da Volta a Portugal 2013

Na semana passada foram anunciadas as partidas e chegadas da Volta a Portugal deste ano, com destaque para um contrarrelógio por equipas em Lisboa a abrir e no penúltimo dia dia um crono individual com chegada na Guarda, que deverá ser o mesmo de 2011, quando Ricardo Mestre chegou à camisola amarela. E as habituais subidas à Senhora da Graça e à Torre, claro.

Não é oficial mas este percurso deve estar certo, porque no ciclismo nacional (como em quase tudo) há sempre alguém que conhece alguém, que conhece outro alguém que solta as informações antes de tempo. Aqui fica o que saiu a público na semana passada semana:
07/08, 1ª etapa: Lisboa (contrarrelógio por equipas)
08/08, 2ª etapa: Bombarral-Aveiro
09/08, 3ª etapa: Oliveira Azeméis-Viana do Castelo
10/08, 4ª etapa: Trofa-Fafe
11/08, 5ª etapa: Arouca-Senhora da Graça
12/08, 6ª etapa: Lousada-Oliveira do Bairro
13/08, Descanso
14/08, 7ª etapa: Sertã-Castelo Branco
15/08, 8ª etapa: Termas de Monfortinho-Gouveia
16/08, 9ª etapa: Oliveira do Hospital-Torre
17/08, 10ª etapa: Sabugal-Guarda (contrarrelógio)
18/08, 11ª etapa: Viseu (?)-Viseu

Antes de analisar as etapas propriamente, informo (ou relembro para quem já sabe) que um prólogo só pode ser considerado como tal se for contrarrelógio individual e não ultrapassar os oito quilómetros. Sendo este um crono coletivo, aos olhos dos regulamentos trata-se da primeira etapa.

Apesar dos contrarrelógios por equipas terem sempre alguma polémica por prejudicarem alguns bons trepadores que pertencem a equipas mais fracas e por isso perdem tempo nesse dia, este deve ser um crono curto (talvez o percurso que tem servido para final nos últimos anos) e por isso originar curtas diferenças. Deverá servir sobretudo para apresentar as equipas e proporcionar um bonito espetáculo aos lisboetas e a todo aqueles que acompanharão a etapa através da televisão.

A chegada à belíssima cidade de Aveiro deverá ser propícia a sprinters, mas a chegada a Viana do Castelo poderá ser no Santuário de Santa Luzia, com uma subida final em empedrado que seria muito interessante. (reparem como em 3 dias se vai de Lisboa até ao distrito mais a Norte de Portugal).

No sábado chegada a Fafe, com um final que deverá ser de média dificuldade (quer seja o do ano passado ou o "habitual") e no domingo a Senhora da Graça. Recorde-se que no ano passado, poucas semanas antes da Volta a Portugal, a Câmara Municipal de Mondim de Basto anunciou que não pagaria o que tinha estipulado em contrato com a PAD mas esta já não estava a tempo de tomar medidas. Como 2013 é ano ano de eleições autárquicas, tinha que ser encontrada uma solução e esta passou por reduzir o valor do contrato, com a Volta a ser vendida a preço de saldo a Mondim de Basto, numa chegada que cada vez tem menos gente na estada, menos emoção e faz menos diferenças de tempo. Não se deve esperar que seja uma etapa muito dura, pois se o for (como era há alguns anos atrás) haverá logo duas dezenas de corredores de equipas estrangeiras a chegar fora de controlo e abandonar a Volta ao quinto dia.

Oliveira do Bairro recebe a última chegada da primeira metade da prova, quando alguns ciclistas já estão a pensar no descanso do dia seguinte, outros já estão atrasados na geral e por isso é um bom dia para fugas.

A sétima etapa terá chegada a Castelo Branco, em ligeira inclinação, e depois teremos chegada a Gouveia, um pouco mais dura mas sem que seja o suficiente para diferenças importantes.

A Volta a Portugal de 2013 deve decidir-se nos dias 16 e 17 de agosto, com a chegada à Torre e o contrarrelógio entre Sabugal e a Guarda que deverá decorrer no mesmo percurso de 2011. Ao que sei (que não é oficial), a etapa da Torre será dura, mas vamos esperar pela apresentação da prova. Certo é que a subida à Torre por si só é muito dura e não falta espaço para atacar se a isso estiverem decididos os homens que fazem a corrida.

O contrarrelógio da Guarda fez grandes diferenças há dois anos e deverá voltar a fazê-las, desta vez com o desgaste acumulado do dia anterior (e de todos os outros). É um contrarrelógio que permite disfarçar as debilidades dos homens que não são contrarrelogistas mas sobem bem.

A Volta terminará numa cidade que tem sido sua anfitriã desde 2003: Viseu. Em princípio será um circuito urbano para consagrar o vencedor.

Ainda que não se saibam os detalhes sobre o percurso, parece ser uma Volta a Portugal para trepadores. Não tem grandes novidades em termos de montanha mas também não tem espaço para os contrarrelogistas puros, o que devem deixar frustrados alguns especialistas e as suas equipas. Os sprinters é que não se poderão queixar, com cinco chegadas em que poderão discutir a vitória, ainda que algumas não sejam tão planas quanto isso.

Esperemos pela apresentação oficial.

27 comentários:

  1. Boa análise, apenas acho que a organização da volta "peca" por andar sempre pelas mesmas cidades, já cansa sempre as mesmas chegadas repetidamente... Eu sei que é por motivos financeiros e por acordos com os municípios, infelizmente..
    A volta podia explorar mais o sul pois é sempre aqui no norte que se faz...
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As partidas e as chegadas são para quem as paga... Não iam por uma chegada no sul onde nao pagavam para tirar uma chegada de um sitio onde pagam... E o norte é sempre mais interessante do que o sul, ha mais algumas montanhas pelo meio...

      Eliminar
  2. Sempre a Srª da Graça... eu metia ai uma etapa com chegada ao alto de São Macário (8Km a 9%, com 4,5Km acima dos dois digitos)que vocês viam o que era espetaculo garantido...e as decisões faziam-se já nessa etapa...era muito mais selectiva que a Srª da Graça!

    ResponderEliminar
  3. Grande ideia André!! Uma chegada ao estilo da Vuelta! Era bestial. E se desse para passar pela SRa. da Graça antes dessa subida seria a etapa ideal para começar a definir favoritos.

    ResponderEliminar
  4. ano após ano a Volta à Portugal é mais do mesmo... por causa das parcerias estabelecidas entre a organização e diversas câmaras municipais + falta de originalidade
    mas pessoalmente este percurso é me "favorável", já que assim posso acompanhar ao vivo diversas etapas :)

    estou curioso para ver o rumo que vão levar algumas etapas, como por exemplo, a etapa Arouca - Senhora da Graça.
    teoricamente será uma etapa sem dificuldades de maior até à subida final. gostava que fossem aproveitadas algumas subidas da região para dar um colorido especial a etapa. por exemplo:
    logo à saída de Arouca podiam virar em direcção à Serra de Montemuro (certamente que "vale" uma 1ª categoria) e depois em direcção a serra do Marão e Alvão antes da aproximação a Mondim,...

    a chegada ao alto de santa Luzia é sem duvida a "cereja no topo do bolo" no que diz respeito a etapa que termina e Viana. já em 2010 a quando de chegada de etapa da volta aquela bela cidade minhota, eu dizia que final da etapa devia ser no alto de santa luzia em vez do Campo Senhora da Agonia, tal como, ocorreu em 2010.

    1º subida de 3/4km em empedrado o que vai dar uma boa dose extra de espectáculo / emoção no que a competição diz respeito;

    2º Santa Luzia é o principal "Postal" da cidade, logo uma excelente forma de promover o Turismo.

    ResponderEliminar
  5. Sou obrigado a concordar contigo André, São Macário ou até mesmo a subida à Serra da Lousã são mais duras que a Senhora da Graça e poderiam tornar-se ícones da Volta caso começassem a integrar o percurso. Quanto à questão do Prólogo eu preferia que fosse individual pois assim faria mais diferenças..ao ser colectivo as diferenças ainda serão menores ao que já seria se fosse individual.

    ResponderEliminar
  6. A PAD devido aos problemas financeiros assina contratos plurianuais de chegadas e partidas portanto torna-se difícil haver muitas aleterações no percurso o que é uma pena!

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zé, sem querer desrespeitar ninguem é certo e sabido que o Norte é onde maiores montanhas têm, e é o sitio ideal para a prática de ciclismo montanhoso.
      Mas claro, que seria bom ver uma chegada pelo menos aí pelas terras do Sul ;)

      Eliminar
  8. Já agora, boa crónica :)

    ResponderEliminar
  9. Realmente...não se esqueçam que a prova mais cotada em Portugal é a volta ao Algarve...por alguma coisa será, não?!?!

    ResponderEliminar
  10. Obrigado pelos comentários.

    André, e quem pagava a chegada a São Macário?

    Zé do Choco, não são admitidos insultos aos autores de outros comentários. Todos aqueles que aqui vem comentar, independentemente de concordarem ou não, são merecedores de respeito. O comentário foi apagado por isso.

    Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  11. Viseu, que tem acolhido a volta desde 2003 poderia, em simultâneo com S.Pedro do Sul, pagar a chegada a S. Macário. Até há a possibilidade de uma etapa dura, mas curta, com 120/130kms com partida em Viseu e terminus no S. Macário ( Viseu- Satão - VN Paiva -Castro Daire- S. Macário), ou Viseu - Tondela - Caramulo- Oliveira Frades - S. Pedro Sul, S. Macário...

    ResponderEliminar
  12. Viseu, que tem acolhido a volta desde 2003 poderia, em simultâneo com S.Pedro do Sul, pagar a chegada a S. Macário. Até há a possibilidade de uma etapa dura, mas curta, com 120/130kms com partida em Viseu e terminus no S. Macário ( Viseu- Satão - VN Paiva -Castro Daire- S. Macário), ou Viseu - Tondela - Caramulo- Oliveira Frades - S. Pedro Sul, S. Macário

    ResponderEliminar
  13. O Pad poderia sugerir que uma etapa seria o publico a decidir aonde era e ate a faselas e as melhores eram votadas

    ResponderEliminar
  14. e assim a volta teria mais adeptos

    ResponderEliminar
  15. Obrigado pelos comentários.

    Mais uma vez digo: as provas não vão chegar a um local que não pague para tal. Por muito interessante que seja uma subida, se ninguém pagar para que o final seja lá, simplesmente não será.

    Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  16. pois ,mas as camaras ou municipios do algrave e do alentejo deviam se juntar e fazer pelo menos 1 ou 2 etapas do sul porque o alentejo tambem tem muitas montanhas .
    acho que seria e intressante

    ResponderEliminar
  17. o alentejo nao e portugal,e uma pena............

    ResponderEliminar
  18. Boa tarde,

    É uma pena de facto a volta não abranger o território de forma mais ampla. Tal como no Tour existem etapas planas, as mesmas em Portugal poderiam ser no Alentejo. Porquê rumar logo a norte e não começar em Lisboa/Setúbal e rumar à Serra de Monchique? E depois voltar pelo interior alentejano até Portalegre? 2 etapas chegavam para fazer o sul e sempre diversificavam o perfil da etapa.
    Tenho pena que a região do Alto Douro/Trás-os-Montes fique uma vez mais de fora. Há anos que a volta não vai lá e tinha tantas subidas (com calor a dificultar) interessantes.
    Tenho também pena que o palhaço do Alberto João Jardim não tenha a visão de atrair os amantes do ciclismo para a ilha, patrocinando o fecho da volta na Ilha que tem subidas espetaculares, dignas do Alpe-H'Huez, ou Mont Ventoux. A subida ao Paul da Serra ou Pico do Areeiro, atingem percentagens médias superiores a 8% em 18 a 20Km. Da cota 20m à 1600m!! Toda a ilha é um sobe e desce duríssimo.
    Eu, que sou um amante das provas de montanha do Tour, cada vez que vou à Madeira fico triste por se desperdiçar tal potencial.

    Mota

    ResponderEliminar
  19. Isto não é uma volta a Portugal!
    Com o devido respeito, Portugal não é só do rio Tejo para Norte.

    ResponderEliminar
  20. Com o devido respeito isto de Volta a Portugal só tem o nome.Chamem-me saudosista,mas as recordações da prova que tenho quando era miúdo,por volta dos anos 80 em nada se comparam com aquilo que é hoje a nossa Volta.Bem sei que o numero de dias é menor,mas dava perfeitamente para se fazer um percurso mais abrangente.Falam que só no Norte é que há montanhas a serio,nada mais falso já que se esquecem do Marvão,Serra da Arrábida ou o Alto da Fóia que são mais duras que por exemplo o Alto da Sr.da Assunção.Outra ideia interessante e ao mesmo tempo polémica poderia ser a alteração da data da realização da Volta.Neste momento estando entre o Tour e a Vuelta e tendo na mesma altura a Volta á Polonia e a Volta á Bélgica parece-me quase impossível cativar algumas figuras do pelotão a deslocarem-se cá para fazerem por exemplo a preparação para a Vuelta,não só pela categoria em que a nossa prova esta actualmente classificada,mas também pelos pontos que podem dar aos ciclistas.

    ResponderEliminar
  21. Viseu, que tem acolhido a volta desde 2003 poderia, em simultâneo com S.Pedro do Sul, pagar a chegada a S. Macário. Até há a possibilidade de uma etapa dura, mas curta, com 120/130kms com partida em Viseu e terminus no S. Macário ( Viseu- Satão - VN Paiva -Castro Daire- S. Macário), ou Viseu - Tondela - Serra do Caramulo- Oliveira Frades - S. Pedro Sul, S. Macário.

    ResponderEliminar
  22. Bom Dia, se me permitem gostaria de comentar, o que para mim é um erro gravíssimo da organização das voltas dos últimos anos.É a partida tardia das etapas, não se compreende que as partidas sejam colocadas em cima do meio dia. Antigamente as partidas eram pelas 9 horas da manhã o que dava um interesse mais motivador ao publico.

    ResponderEliminar
  23. Acho mal que no próprio site da volta não tenha os horários previstos de partido e chegada em cada etapa.

    ResponderEliminar
  24. Acho mal que no próprio site da volta não tenha os horários previstos de partido e chegada em cada etapa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estão lá. Por exemplo, aqui: http://www.volta-portugal.com/etapas/phps/percurso.php?etapa=4

      Basta escolher a etapa que se quer ver e depois "Percurso".

      Cumprimentos.

      Eliminar

Share