segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O que fizeram os "15 jovens a seguir em 2013"?

Carlos Betancur, um dos novos rostos do ciclismo colombiano
Em fevereiro foi publicado o artigo "15 jovens a seguir em 2013" e agora é hora de analisar as suas temporadas. Desde os que melhor cumpriram, como Betancur, Majka ou Kwiatkowski, aos que mais longe ficaram, como Leigh Howard ou Jesse Sergent.

Barru Markus (17/07/1991, Vacansoleil)
Começou a temporada com excelentes desempenhos no Tour Down Under e Volta ao Qatar, o que lhe valeu a inclusão nesta lista, e ao longo do ano foi confirmando a sua qualidade. Não foi um ano extraordinário, não conquistou qualquer vitória mas para um jovem de 22 anos deixou boas indicações. Em 2014 representará a Belkin.

Carlos Betancur (13/10/1989, Ag2r-La Mondiale)
Um dos rostos mais visíveis deste lote. 7º na Volta ao País Basco, 3º na Flèche Wallone, 4º em Liège, 5º e melhor jovem no Giro (com três segundos lugares em etapas). Para a segunda metade da temporada colocou como objetivo o Mundial, mas acusou o desgaste e não foi capaz de render na Vuelta nem em Florença. Ainda assim, uma excelente temporada do colombiano. A subir, contem com ele.

Fabio Aru (03/07/1990, Astana)
4º no Giro del Trentino, 5º na última chegada em alto do Giro (a épica vitória de Nibali debaixo de neve) e 8º na Volta à Polónia. São boas indicações mas, com base nos seu percurso até aqui, esperava-se mais de Fabio Aru. Também não se pode ignorar que a sua temporada estava centrada no Giro, onde se viu afetado por problemas de saúde nas primeiras semanas.

Ion Izagirre (04/02/1989, Euskaltel-Euskadi)
Vice-campeão espanhol e segundo na Volta à Polónia, ficou próxima de vitórias que seriam muito importantes para impulsionar a sua carreira. Não as conseguiu e só nessas duas provas chegou perto do nível que o levou a ser 4º no Tour Down Under. Veremos como se safa em 2014 na nova Movistar, onde terá um papel diferente.

Jesse Sergent (08/07/1988, Radioshack)
A chegada ao Malhão na Volta ao Algarve foi um bom indicador mas uma exceção. Muito bom contrarrelogista mas peca no restante, o que o limita a discutir etapas e classificações gerais de poucas provas.

Joseph Dombrowski (12/05/1991, Team Sky)
Muito apagado. Trabalhou para os seus colegas mas esperava-se outra visibilidade dele que vinha a ser um dos melhores trepadores no panorama sub-23. Talvez em 2014 tenha maior liberdade e se mostre mais. Tem tempo para isso.

Leigh Howard (18/10/1989, Orica-GreenEDGE)
Uma fratura de clavícula atirou-o para fora do Giro e a partir daí nunca mais voltou ao bom nível que lhe tinha valido duas vitórias em Maiorca.

Luke Durbridge (09/04/1991, Orica-GreenEDGE)
Depois de sete vitórias em 2012, incluindo o prólogo do Critérium du Dauphiné, este ano ficou-se pelas quatro e duas delas foram nos Campeonatos Nacionais. Outro ciclista da Oceania que começou muito forte mas foi perdendo o fulgor.

Mattia Cattaneo (25/10/1990, Lampre-Merida)
Certamente não foi a melhor decisão da sua equipa leva-lo às clássicas de pavé, tendo desistido no Prémio E3 e na Gent-Wevelgem. Depois teve que abandonar o Giro devido a queda. Desde os Nacionais que não correu mais...


Kwiatkowski, 11º no Tour
Michal Kwiatkowski (02/06/1990, Omega Pharma)
Foi uma das grandes revelações da temporada. 2º na Volta ao Algarve, 4º no Tirreno-Adriático, 4º na Amstel Gold Race, 5º na Flèche Wallone e 11º no Tour. É mais contrarrelogista do que trepador, mas poderá tornar-se num dos melhores voltistas dos próximos anos.

Rafal Majka (12/09/1989, Saxo-Tinkoff)
Ano de afirmação para o polaco. Foi um dos protagonista do Giro (7º) foi 4º na Volta à Polónia, 2º na Milano-Torino e 3º no Il Lombardia. Não foi apenas um pico de forma e deixa-me expectante para ver o que poderá fazer em 2014. Seria um desperdício ter apenas como equipier de Contador um ciclista que pode ele próprio animar as corridas.

Rohan Dennis (28/05/1990, Garmin)
Foi uma boa surpresa no Critérium du Dauphiné. 2º no contrarrelógio, o que lhe valeu a camisola amarela por um dia, e 8º na geral final. Valeu-lhe também a participação no Tour, desistindo no final da primeira semana, como a equipa tinha planeado. Em setembro venceu a Volta a Alberta (Canadá) e, considerando que na Garmin costumam dar tempo aos jovens, o que também os impede de dar muito nas vistas nos primeiros anos, é de esperar que em 2014 ande ainda melhor.

Tim Wellens (10/05/1991, Lotto-Belisol)
O melhor resultado foi o 8º na Volta a Valónia, mas também deu nas vistas pela combatividade. E é dos mais novos desta lista, pelo que também é normal que tenhamos que esperar mais.


Tony Gallopin, vencedor da Clásica de San Sebastián
Tony Gallopin (24/05/1988, Radioshack)
Venceu a Clásica San Sebastian. Fora isso, desiludiu um pouco, mas o triunfo na clássica basca faz com que o balanço da temporada seja forçosamente postivo. Em 2014, com a mudança para a Lotto, muita coisa mudará e espera-se maior protagonismo deste francês.

Warren Barguil (28/10/1991, Argos-Shimano)
O mais jovem da lista mas também um dos que mais se destacou. Extremamente combativo, levou duas etapas da Vuelta e só hoje cumpre 22 anos de idade. Uma das grandes promessas do ciclismo mundial e está numa excelente equipa para evoluir.
Warren Barguil, vencedor de duas etapas na Vuelta

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Porque o Demaré foi indicado logo em 2012.

      Cumprimentos

      Eliminar
  2. Muito bom Rui! E agora que venham os próximos 15 jovens a seguir em 2014..:) Abraço

    ResponderEliminar
  3. Excelente! Nesta lista conseguiste prever praticamente todos os jovens ciclistas que se destacaram em 2013. Sobretudo Aru, Dennis, Kwiatkowski e Barguil... foram previsões de olho clínico!
    Penso que este ano houve 3 ciclistas que se destacaram e que garantidamente podes colocar na lista de 2014: Bardet, Coquard e Tom Dumoulin

    ResponderEliminar
  4. Rui quando o Aru está numa equipa que tem o Nibali é dificil se destacar mais... mas gostei da analise

    ResponderEliminar
  5. Grande análise. Para mim, de entre esse lote, Kwiatkowski arrisco a dizer que é já uma afirmação, dado que uma época ao nível da sua está ao alcance de poucos. Quanto à Grande surpresa, essa é Barguil, que me era completamente desconhecido...até que fez aquela exibição na Vuelta!

    ResponderEliminar
  6. gostaria de esclarecer uma duvida o roberto uran que era da sky , que ficou em segundo no giro deste ano nao e jovem ? e que tenho a ideia que e

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Uran tem 26 anos e já há várias épocas que apresenta bons resultados, não é propriamente uma surpresa ou um ciclista que apenas agora começou a despontar portanto não entra nestas contas.

      Eliminar
    2. obrigado pela informaçao :) eu acomponho o ciclismo sempre que posso por isso nao tou atento aos resultados nem a evoluçao de certos corredores

      Eliminar
  7. Obrigado pelos comentários!

    José Nunes, se este artigo se repetir para 2014, certamente o Bardet e o Coquard lá estarão. Aliás, o Bardet foi o 16º este ano. Estive até à última indeciso entre ele o Wellens.

    Carlos Valente, precisamente pelo motivo que o Pengo indicou. O Uran já tinha dado muito nas vistas. No ano passado foi 7º no Giro e vice-campeão olímpico.

    Cumprimentos!

    ResponderEliminar

Share