sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Vuelta, a partir de amanhã


Vem aí mais uma edição da Vuelta, prova que cada vez recebe mais interesse extra-fronteiras. Tal como no ano passado, a Vuelta volta a ter ciclistas de toda a Europa entre os candidatos à vitória, o que não acontecia na primeira metade desta década. Para se ter uma ideia, apenas 2 estrangeiros no top-10 em 2001, 2002 e 2003. 2004 foi o ano em que ficou mais claro a falta de interesse que a prova despertava no estrangeiro, tendo apenas 2 forasteiros no 25 primeiros. Com o aparecimento do Pro Tour em 2005, esta situação começou a alterar-se lentamente. Depois da desclassificação de Heras, a vitória foi para o russo Denis Menchov, primeiro estrangeiro a vencer desde Ullrich em 99.
A partir de 2006, a prova foi disputada por espanhóis e estrangeiros que falharam objectivos no Tour. Em 2006, o pódio foi preenchido por Vinokourov, Valverde e Kashechkin, um trio muito curioso. Os cazaques ficaram de fora do Tour porque mais de metade dos inscritos da equipa para a prova francesa estava listada na Operación Puerto (embora alguns fossem rapidamente retirados de lá) e o espanhol foi ao Tour mas desistiu por queda antes da prova entrar sequer em França. Entretanto, 2 já estiveram suspensos por doping e um ainda está.
2007 foi o ano da segunda vitória de Menchov, que desistira no Tour anterior. Sastre, que fora 4º no Tour muito longe do pódio, foi 2º na Vuelta longe da vitória, Samuel Sánchez foi terceiro e Evans, que ficou a 23s da vitória no Tour, ficou a 10s do pódio na Vuelta. Em 2008, a prova foi decidida entre Contador e Leipheimer, que não tinham ido ao Tour, com Sastre a ser 3º depois da vitória no Tour. Foi o melhor conjunto de resultados Tour-Vuelta da década, mas teria feito melhor se não fosse lá. Assim, demonstrou que Contador só não ganhou o Tour porque não esteve presente, algo do qual já se desconfiava.
A edição de 2009 foi vencida por Valverde. Quando a prova começou, havia a ideia de que era o grande favorito e a certeza de que no ano seguinte não estaria presente por estar suspenso. Mesmo sem o último vencedor, a prova que amanhã começa terá uma grande lista de participantes em termos de qualidade.
Menchov, o melhor ciclista de grandes voltas nascido entre Armstrong e Contador, é um dos principais candidatos, juntamente aos jovens Nibali e Kreuziger, a Frank Schleck que diz que este é o seu objectivo desde que caiu no Tour e ao seu irmão mais novo que não diz nada mas anda que se farta. Igor Antón e Mosquera são ciclistas que tentarão lutar pelo pódio, Joaquim Rodriguéz tentará somar o máximo de pontos para o Ranking Mundial, Luis León Sánchez tentará mais uma vez mostrar que pode discutir uma grande volta (não acredito, mas ok), o seu colega Arroyo estará super-motivado depois do 2º lugar no Giro, Vandevelde participará na terceira grande volta do ano tentado não abandonar esta lesionado, Tondo é uma incógnita depois de tanto tempo quase sem correr mas passado em altitude e Sastre diz que se sente bem como dizia antes do medíocre Giro e do medíocre Tour.
Intxausti é um jovem sobre o qual tenho algumas ilusões, tal como com o Van Garderen. O Peraud também me desperta alguma curiosidade por ser a primeira vez que participa numa prova de 3 semanas mas já ter dado boas indicações no início do ano e quero ver do que é capaz o Roche depois de um Tour de grande nível.
Para o sprint, teremos os olhos no nosso português Manuel Cardoso mas a tarefa não será fácil contra Cavendish, Petacchi, Hushovd, Farrar, Bennati, Freire, Allan Davis, Koldo Fernández e Hondo.
Ah, e este ano há duas semanas entre o final da Vuelta e os Mundiais, por isso haverá menos desistências a pensar nos Mundiais.
Estou apenas a lançar estes nomes todos para se ter uma ideia da qualidade desta Vuelta e o que se pode esperar de alguns homens. Não esperem que faça como aqueles que falam em 180 ciclistas e no final dizem “eu bem que tinha falado nele”. Ah, e acreditam que eu já li que esta Vuelta tinha um pelotão fraco?
*****
A pouco mais de um mês dos Mundiais, já se sabe quem são os convocados de vários países. De Portugal, oficialmente, nem se sabe os pré-convocados. Penso que está na hora da Federação apostar minimamente nas relações públicas. O trabalho que tem sido feito é muito pobre e basta olhar para o que se faz aqui ao lado, em Espanha. Por exemplo, a Federação está a trabalhar na selecção de pista e não se sabe de quase nada a não ser pelo diz-que-disse. De qualquer forma, não estejam à espera que eu diga o que se devia fazer. O que posso dizer sim é quem acho que vai aos mundiais.
Tomando Manuel Cardoso, Tiago Machado, Rui Costa e Sérgio Paulinho como certos, as outras duas vagas deveriam ser decididas entre Hernâni Brôco, André Cardoso, Ricardo Mestre, Sérgio Ribeiro e Cândido Barbosa. Os três primeiros por ainda serem opção para vários anos, terem feito uma boa temporada e serem ciclistas com muito fundo e os dois últimos por se adaptarem melhor a um circuito como o australiano. Mas quanto ao Cândido, já sabemos que não corre fora das fronteiras, e segundo sei, o Sérgio não está sequer pré-convocado.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share