quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Um olhar pelas equipas World Tour

Para retomar à actividade do Carro Vassoura, e tendo em conta as dúvidas que ainda existem nas equipas portuguesas, olhemos para as equipas World Tour, desde as poderosas RadioShack, BMC e Sky, às mais modestas FDJ-Bigmat, Ag2r ou Lotto, se bem que já não existem equipas fracas nesta categoria.




As super-equipas

RadioShack, BMC e Sky apresentam-se para 2012 com três super-equipas, ao género de Barcelona do ciclismo.

Tendo em conta o percurso da Volta a França, com demasiado contra-relógio para tão pouca montanha, os irmãos Schleck terão poucas hipóteses de lutar pela vitória, mas com eles, Andres Klöden e Chris Horner (dependentemente de como ter recuperado da queda no último Tour), a RadioShack tem quatro valores seguros para as provas por etapas, aos quais há que acrescentar Maximo Monfort, sexto na Vuelta ’11, e Tiago Machado e Jakog Fuglsang, dos quais se espera que também eles cheguem a um bom nível em termos de grandes voltas e alta montanha.

Fabian Cancellara terá este ano a missão de recuperar o título de rei dos pavês e lutar pelo título olímpico de contra-relógio e vamos ver como reage a um 2011 em que os resultados desiludiram (as prestações, não tanto). Daniele Bennati é o sprinter da equipa, onde há ainda um Ben Hermans que pode afirmar-se como grande corredor para as clássicas das Ardenas e montanha, e os jovens talentos Giacomo Nizzolo (22 anos, sprinter), Jesse Sergent (23, contra-relogista), Tony Gallopin (23, sprinter), Jan Bakelants (25, completo) e, claro, Nelson Oliveira (22, contra-relogista).

A BMC, que em 2011 parecia um bom bloco e venceu a Volta a França, para 2012 tem um excelente bloco, candidato a ganhar tudo, com Cadel Evans à cabeça para o Tour, Philippe Gilbert para as clássicas das Ardenas e um sem-fim de outras provas e o ex-campeão mundial Thor Hushovd para as clássicas de pavé e sprints, sem esquecer a sua vertente de canivete suíço (ou norueguês, neste caso), que até pode procurar vitórias em etapas de média montanha no Tour.

Para auxiliar Evans no Tour e nas restantes provas por etapas, a BMC tem o promissor Tejay Van Garderen, Marco Pinotti, Stephen Cummings, Steve Morabito e Johan Tschopp. As clássicas são o tipo de prova para o qual há mais soluções, para além de Gilbert e Hushovd com Greg Van Avermaet, Alessandro Ballan, Marcus Burghardt, George Hincapie e Manuel Quinziato. De realçar ainda o sprinter e contra-relogistas Taylor Phinney.

Para encerrar o capítulo das super-equipas, a Sky, que finalmente tem Mark Cavendish (e sobre essa contratação já aqui falei). Com Bradley Wiggins como aposta para o Tour (e com este percurso tem legítimas aspirações), Mark Cavendish e o outro canivete norueguês Edvald Boasson Hagen, a Sky pode lutar pela vitória em quase todos os tipos de provas. Ben Swift, Chris Sutton e Davide Appollonio são outras duas soluções para os sprints, o jovem Rigoberto Uran para a montanha e provas por etapas, sem esquecer o recentemente chegado Sergio Henao e Chris Froome, revelação da última Vuelta. Juan António Flecha ainda persegue o sonho de ganhar uma das grandes clássicas de pavé (tem 3 pódios em Roubaix e 2 em Flandres), Geraint Thomas tem também ele aspirações nessas provas e sem esquecer outros homem de qualidade como Kanstantsin Siutsou, Thomas Lofkvist, Mathew Hayman ou Michael Rogers.

A aposta no futuro

Outras equipas há que, sem condições para investirem forte em contratações para este ano, investiram sim, há uns tempos, em assegurar jovens valores que agora se afirmam como grandes figuras mundiais. São os casos de Liquigas, Garmin e Rabobank. Tyler Farrar e Daniel Martins são os casos mais flagrantes na Garmin-Barracuda, sem esquecer Peter Stetina, Ramunas Navardauskas, Sep Vanmarcke e principalmente Andrew Talansky, que já deram provas da sua qualidade entre os profissionais e dos quais ainda mais se espera para este ano. Há ainda os neo-pros Nathan Haas, Alex Howes, Raymond Kreder e Jakob Rathe, que venceu uma etapa na última Volta a Portugal. Quanto a valores seguros na Garmin, há que contar com Tom Danielson, 9º no último Tour, e Heinrich Haussler, sem esquecer Ryder Hesjedal, Christian VandeVelde, Fabian Wegmann, o vencedor do Paris-Roubaix Johan Vansummeren, Christophe Le Mevel, Koldo Fernández que pela primeira vez corre fora da Euskaltel e Thomas Dekker, que regressa ao mais alto nível depois da suspensão.

A Liquigas tem à cabeça o experiente Ivan Basso, Vicenzo Nibali e Peter Sagan, estes dois últimos apostas da equipa quando ainda não tinham créditos firmados na elita. Basso estará seguramente no Giro e depois decidirá se correr Tour ou Vuelta e Nibali esperará por Abril para decidir se corre Giro ou Tour, enquanto Sagan é certo no Tour. Há ainda a acrescentar aos destaques o sprinter Elia Viviani, do qual muito se espera, e Daniel Oss, que poderá ter uma palavra a dizer nas clássicas da Primavera e nos sprints.

Por fim, a Rabobank, a equipa que mais admiro e aprecio, pela forma como se dedica à formação de jovens e lhes dá oportunidades. Robert Gesink, Bauke Mollema e Steven Kruijswijk são três homens que podem ocupar lugares de destaque nas grandes voltas e todos eles são formados na casa. A eles há que acrescentar Lars Boom, para as clássicas e contra-relógios, o sprinter Theo Bos, Laurens Ten Dam para as provas de uma semana e os contra-relogistas Jos Van Emden e Stef Clement, todos eles, mais velhos ou mais novos, com ou sem passagem por outras equipas, formados na estrutura Rabobank e com qualidade para discutir lugares de relevo em provas importantes. A equipa conta ainda com Mark Renshaw e Michael Matthews para os sprints, Paul Martens para as clássicas das Ardenas, Luis León Sánchez, Carlos Barredo, Matti Breschel a tentar voltar ao seu melhor depois de algumas lesões em 2011, e os neo-pros Wilco Kelderman e Jetse Bol, duas esperanças do ciclismo holandês… formadas na Rabobank, claro.

Projectos Nacionais

Com a chegada da GreenEdge, há mais um projecto nacional, a juntar aos já falados Sky e Rabobank, e a Astana, Katusha e Euskaltel, se bem que existem agora dúvidas relativamente ao “nacionalismo” da Katusha (com a chegada de várias directores alemães) e a Euskaltel é sim de uma região e não de um país (apesar de para eles ser mesmo um país).

Na GreenEdge vejo algumas lacunas na construção do plantel. Com Matt Goss, Simon Gerrans e Allan Davis, ajudados pelos experientes Robbie McEwen, Baden Cooke e Stuart O’Grady, têm uma boa equipa para os sprints e algumas clássicas, mas quando chegarem a Abril e necessitarem de alguém para o pavé e Ardenas, Sebastian Langeveld e Gerrans (primeiro um, depois o outro), serão as únicas soluções. Para os contra-relógios terão Cameron Meyer, Jack Bobridge, Luke Durbridge e Michael Hepburn, mas para provas por etapas estará dependente da evolução dos seus jovens e é uma lacuna. Terão sim Goss para se fazer às etapas planas

Já a Katusha finalmente terá o maior voltista russo, Denis Menchov, que na última Vuelta foi algo azarado mas mostrou-se forte e poderá fazer ainda um bom Tour. Em 2011 a Katusha levou 9 russos aos Tour mas, curiosamente, Menchov chega à equipa depois de vários directores alemães. Também como curiosidade, entre eles está Zabel (que confessou ter recorrido a EPO quando esta ainda não era detectada) e o ex-director da Gerolsteiner de Schumacher, Kohl, Rebellin e Moletta, que nunca acusou positivo mas o seu pai foi apanhado com vário material proibido no carro.
Joaquin Ródriguez é o outro cabeça-de-cartaz para Giro, Vuelta e clássicas, não esquecendo os seus compatriotas Daniel Moreno e Oscar Freire, se bem que tenho algumas dúvidas quanto ao que o tricampeão mundial ainda poderá fazer. Denis Galimzyanov é o sprinter de quem mais espero nesta equipa, na qual milita também Pavel Butt, Ángel Vicioso e Simon Spilak, que, pelas suas características e combatividade, poderão conseguir, aqui e ali, lugares de destaque.

Já a Astana, além de Vinokourov (que mantém o título de mais mediático), tem Roman Kreuziger e Janez Brajkovic para as grandes voltas e Frederik Kessiakoff para confirmar as indicações deixadas na última Vuelta. Borut Bozic é o sprinter e Enrico Gasparotto e Francisco Gavazzi estarão lá para finais mais selectivos e, quem sabe, tentar a sua sorte nalguma clássica como Amstel Gold Race.

A Euskaltel também apresenta um bloco modesto no seu geral mas com alguns homens a destacar, como Samuel Sánchez, Igor Antón e Mikel Nieve. Sobre os jovens Romain Sicard e Mikel Landa tenho algumas espectativas e é de contar com os irreverentes Txurruka e Egoi Martínez. Olho ainda para os jovens Ricardo Garcia, Victor Cabedo e Pello Bilbao.
A Euskaltel está à procura de patrocinador para 2013 e convém começar a época em força

Projectos Cosmopolitas

Se há equipas que facilmente se associam a certo país, outros há que contratam os corredores pela sua qualidade e pela necessidade que têm de certo tipo de ciclista, quase sem olharem a bandeiras. Nesta categoria encontram-se algumas já faladas, com RadioShack ou BMC, mas também a Vacansoleil, a Saxo Bank ou a Quick Step, agora Omega Pharma-Quick Step. Quanto à Vacansoleil, tem pau para toda a obra, com Wout Poels para as provas por etapas, Romain Feillu, Kenny Van Hummel e Pim Ligthart para os sprints, Gustav Erik Larsson e Lieuwe Westra para os contra-relógios, Bjorn Leukemans para as clássicas de Abril, os polivalentes Marco Marcato, Thomas De Gendt, Matteo Carrara e Serguey Lagutin e Johnny Hoogerland para clássicas, montanha e alguns feitos heróicos se necessário (esperemos que não).

Já a dinamarquesa Saxo Bank tem como principal referência o espanhol Alberto Contador (com a sua armada luso-espanhola Paulinho, Bruno Pires, Navarro, Noval e Hernández), o belga Nick Nuyens, o argentino Juan José Haedo e o dinamarquês Chris Anker Sorensen. A OmegaPharma-Lotto, sediada na Bélgica, tem como principais referências os belgas Tom Boonen e Gert Steegmans, o norte-americano Levi Leipheimer, os alemães Tony Martin e Gerald Ciolek, o eslovaco Peter Veltis e o francês Sylvain Chavanel.

Temos ainda a grande Movistar, que aparece quase no final deste artigo mas não é por falta de qualidade e tem como grande destaque o regresso de Alejandro Valverde. Além dele, o vencedor da Vuelta Juanjo Cobo é homem para as provas por etapas, José Joaquin Rojas e Fran Ventoso para os sprints (apesar de não serem sprinters puros) e Giovanni Visconti para as clássicas, sem esquecer o nosso Rui Costa, que é homem para dar nas vistas em quase todo o tipo de provas. Beñat Intxausti, Ruben Plaza, Sérgio Pardilla e Vasil Kiryienka também merecem uma chamada de atenção.

A Lotto-Belisol parece uma das equipas mais modestas, mais ainda assim terá o sprinter André Greipel e o voltista Jurgen Van Den Broeck, juntos a Jurgen Roelandts e Jelle Vanendert, uma das revelações de 2011, vencendo inclusive uma etapa no Tour. A Lampre conta com Alessandro Petacchi, Damiano Cunego, Michele Scarponi, Grega Bole e os jovens promissores Diego Ulissi e Adriano Malori. A Ag2r com Jean-Christophe Peraud, Nicolas Roche, John Gadret, Rinaldo Nocentini, Anthony Ravard e Blel Kadri e a FDJ-Bigmat com Sandy Casar, Hutarovich, Pierrick Fédrigo, Yoann Offredo, Anthony Roux e Yhibaut Pinot, estes últimos jovens promissores.

*****
Esta é a minha análise sobre as equipas World Tour, uma análise breve para falar de todas as equipas sem vos maçar. Ali ao lado direito têm duas votações e, claro, têm sempre a caixa de comentários disponível. Sugiro ainda que se tornem fãs da página do Carro Vassoura no Facebook ;)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share