segunda-feira, 5 de outubro de 2020

João Almeida de Maglia Rosa!

O português João Almeida chegou hoje à liderança na Volta a Itália, um feito enorme para o ciclismo português! Antes dele, apenas dois outros portugueses foram líderes de uma das três grandes voltas. Como foi o caminho até aqui e como pode ser o caminho daqui em diante são assuntos deste artigo.

Quis uma obra do acaso que o local fosse o mesmo, mas não foi por acaso que João Almeida, um jovem prodígio de 22 anos, chegou à camisola rosa no Monte Etna, 31 anos depois de Acácio da Silva. É um feito enorme! Afinal, esta é apenas a quarta vez que um português encabeça a classificação geral de uma das três grandes voltas do ciclismo mundial.

A lista, como tantas outras do ciclismo português, foi inaugurada por Joaquim Agostinho, que em 1976 envergou a camisola amarela na Volta a Espanha*. Entre a sexta e a oitava etapa e, novamente, no final da décima quinta e da décima sexta, terminando na sétima posição. Depois disso foi preciso esperar até 1989 para outro português liderar uma grande. Foi Acácio da Silva, que no mesmo ano vestiu a maglia rosa do Giro d’Italia por dois dias e o maillot jaune do Tour de France por quatro. E foi preciso esperar muito mais para que João Almeida, hoje, se juntasse a este distintíssimo grupo.

O que João Almeida alcançou hoje é enorme e meritório! Não por ter apenas 22 anos de idade nem por ter sido no Monte Etna. Mas porque liderar uma grande volta é, por si só, algo enorme. Poderá ao longo dos próximos anos escrever uma história em que este seja um belo capítulo inserido numa bela história, mas nunca deixará de ser um dos capítulos principais.

A seguir

O caminho até Milão é longo. E João Almeida poderá agora envergar a camisola rosa por alguns dias, talvez uma semana ou um pouco mais, mas esta é uma liderança a prazo. Convém ter essa noção, para limitar as críticas descabidas quando, nos Apeninos ou nos Alpes, não seguir na roda de Nibali, Fuglsang ou Kruijswijk.

Por outro lado, não me surpreenderá se o português terminar nos dez primeiros este Giro d’Italia realizado em contexto especial. Não digo que seja um candidato ao top-10 e não estranharei se ficar para trás a qualquer momento e terminar a mais de uma hora do vencedor, mas tão-pouco caso se mantenha no topo.

Isto porque lhe falta experiência, como é próprio de um jovem de 22 anos recentemente cumpridos, a estrear-se numa grande volta, no seu primeiro ano de World Tour. E, numa prova desta dureza e com este grau de exigência, qualquer falha se paga caro. Ou muito caro. Pode custar um minuto, cinco minuto, meia hora ou o abandono. Veja-se, sem necessidade de recuar muito no tempo, o caso de Egan Bernal, o vencedor do Tour de France 2019 que na edição deste ano era terceiro já a terminar a segunda semana e dois dias depois abandonou a corrida, já fora do top-10.

Mas, por outro lado, certo é que João Almeida, onde tem entrado, tem andado num nível altíssimo, que nos faz esquecer os pontos antes citados. E esta é uma Volta a Itália diferente, num ano diferente para todos nós.

Nos anos recentes, muitos dos melhores voltistas do mundo têm inserido o Giro d’Italia, em maio, como primeiro objetivo da temporada, o que lhes permite depois redirecionar atenções para a Vuelta a España, entre agosto e setembro. Neste ano atípico e com o calendário tão alterado, quase todas as equipas se focaram no Tour de France ainda mais do que habitualmente. É que, num cenário de tamanha incerteza, todas as equipas quiseram concentrar esforços e tentar salvar a temporada nas primeiras provas a retomarem, com medo de uma nova paragem. Além de permitir que um fracasso no Tour seja salvo pela participação na Vuelta.

Fez esta conjetura que o Giro se iniciasse apenas com cinco grandes candidatos ao pódio, já de créditos firmados: Vincenzo Nibali, Geraint Thomas, Simon Yates, Steven Kruijswijk e Jakob Fuglsang, com Wilco Kelderman e Rafal Majka num segundo patamar, à espreita. Mas com os mencionados britânicos já arredados das contas, são atualizadas as perspetivas dos últimos dois e de outros que, como João Almeida, podem tirar partido dos atrasos já verificados. E se juntarmos a isto as ausências de Miguel Ángel López ou Aleksandr Vlasov, fica cada vez mais propício, apesar de estarmos apenas com três etapas cumpridas, a que a classificação final tenha entre os dez primeiros alguns nomes impensáveis a 1 de janeiro de 2020, quando a temporada começou oficialmente e ninguém esperava que, em outubro, estivéssemos com o Giro d’Italia em curso.

E a liderança da equipa

Não queria terminar este conjunto de reflexões sem abordar a liderança da Deceunick-Quick Step. Porque não é por João Almeida ser o atual líder da prova que a equipa se irá sacrificar por ele já desde amanhã, na quarta etapa. Contraditório ser o líder da competição e não liderar indiscutivelmente a equipa? Penso que nem tanto.

A histórica equipa belga, habitualmente mais focada em clássicas e sprints do que na classificação geral, perdeu Remco Evenepoel, o líder designado no início da temporada, quando este sofreu uma grave queda em agosto. E aborda esta Volta a Itália com três ciclistas que a poderão liderar lá mais à frente. Fausto Masnada, que cumpre 27 anos em novembro e foi 20º na edição anterior do Giro. James Knox, jovem britânico que foi 11º na Vuelta 2019. E João Almeida, em torno do qual gira este artigo e as esperanças da maioria dos que o lê.

São primeiro, décimo quarto e décimo sexto quando estão cumpridas apenas três etapas, separados por cem segundos que se podem transformar em pó nas montanhas que estão pela frente. Por isso seria um erro qualquer um deles se sacrificar, nesta fase, por um colega. Ainda que saiba que outros vão escrever o contrário em troca de likes e partilhas patrióticas.

Esta ideia que já tinha olhando para o percurso e valia que reconheço nos três, ganhou ainda mais força com o que vi no Etna. Três ciclistas, cada um por si. E a estrada ditará em quem apostam as fichas. Até aqui João Almeida foi o melhor, dos três e de todos os que estão em prova, e contará com o apoio dos seus companheiros. Mas se tiver um azar, não espero que Masnada e Knox se sacrifiquem nesta fase. Diferente será se continuar a evoluir rumo a Milão permanecendo nas primeiras posições ou seu os seus companheiros se atrasarem. Mas todos saberão na Quick Step que não é hora de colocar pressão num jovem de 22 anos que acabou de se estrear numa das provas mais exigentes do mundo e está a fazer um brilharete.

---

* Em 1976 o líder da Volta a Espanha vestia de amarelo. Apenas em 2010 o símbolo da liderança passou a ser vermelho e antes disso, de 1999 a 2009, o dourado foi a cor mais apetecida. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share