sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Comunicado de Lance Armstrong em português


Aqui fica o comunicado em que Lance Armstrong anuncia que não se vai defender perante a USADA. A tradução é da responsabilidade do Carro Vassoura. 







Comunicado de Lance Armstrong a 23 de Agosto de 2012


Chega um ponto na vida de qualquer homem em que ele diz “já chega!”. Para mim, esse momento é agora. Tenho lidado com as alegações de que fiz batota e tinha uma vantagem desleal quando ganhei os meus sete Tours desde 1999. Nos últimos três anos, eu estive sujeito a uma investigação federal que durou dois anos seguida da caça-às-bruxas anticonstitucional de Travis Tygart*. Os danos causados à minha família, ao nosso trabalho na minha fundação e a mim trouxeram-me onde estou hoje – acabando com esta situação sem-sentido.

Eu acreditava que o tribunal federal parasse a farsa da USADA. Apesar de estar compreensivo com as minhas preocupações e reconheça as irregularidades e deficiências nos motivos, conduta e processo da USADA, o tribunal decidiu que não poderia intervir.

Se eu pensasse, por um momento, que participando no processo da USADA eu poderia confrontar as alegações de forma justa e – de uma vez por todas – acabar com estas acusações, eu teria aproveitado a oportunidade. Mas eu recuso-me a participar num processo parcial e injusto. Independentemente do que Travis Tygart diga, não há evidências físicas que apoiem as suas extravagantes e atrozes alegações. A única evidência física aqui são as centenas de controlos que eu passei sem problemas. Estive disponível a qualquer hora e em qualquer lugar. Em competição. Fora de competição. Sangue. Urina. Qualquer coisa que me pedissem, eu dei. Para que servem todos estes testes se, no final, a USADA os ignora?

Desde o começo, porém, esta investigação não foi para descobrir a verdade nem limpar o ciclismo, mas para punir-me a todo o custo. Eu sou um ex-ciclista, mas ainda assim a USADA apresentou acusações com 17 anos, apesar da sua própria limitação de 8 anos. Tal como respeitadas organizações como UCI e USA Cycling deixaram claro, USADA não tem jurisdição para levar a cabo estas acusações. Os organismos internacionais que dirigem o ciclismo ordenaram à USADA para parar, dando notícia de que não participariam em ilegais procedimentos da USADA. Além disso, deixaram claro que a decisão da USADA de suspender alguém vitaliciamente e lhes retirar os seus resultados é feita sem autoridade para tal. E como muitos outros, incluindo membros da USADA, não encontraram nada nem remotamente justo sobre o processo. A USADA violou a lei, virou as costas às suas próprias regras e impediu quem a tentou persuadir a honrar as obrigações. A cada momento, a USADA usou o papel de abusador, ameaçando toda a gente com os seus modos e desafiando a boa-fé de quem questionasse os motivos ou métodos, tudo à custa dos contribuintes estado-unidenses. Durante os últimos dois meses, a USADA repetiu interminavelmente o seu desejo de cumprir as regras como doutrina mas, por arrogância, recusaram-se a praticar o que pregam. Além de tudo isto, a USADA fez alegadamente acordos com outros ciclistas que contornaram as suas leis desde que digam que eu fiz batota. Muitos desses corredores continuam a correr nos dias de hoje.

O ponto de partida é que eu actuei pelas regras que tinham sido colocadas pela UCI, AMA e USADA quando eu corri. A ideia de que atletas possam ser condenados sem amostras A e B positivas, da mesma forma que atletas com testes anti-doping positivos, corrompe o sistema e cria um processo onde qualquer ex-colega invejoso pode abri um caso, por rancor, benefício próprio ou para obter um acordo mais vantajoso para si próprio. É um tratamento injusto, aplicado selectivamente, contra as regras. Simplesmente, não é justo.

A USADA não pode tomar controlo de um desporto profissional internacional e retirar os meus sete títulos da Volta a França. Eu sei quem ganhou estes sete Tours, os meus colegas sabem quem ganhou estes sete Tours, e toda a gente que competiu contra mim sabe quem ganhou estes sete Tours. Todos nós corremos juntos. Durante três semanas nas mesmas estradas, nas mesmas montanhas e contra as mesmas condições climatéricas. Não houve atalhos, não houve tratamento especial. As mesmas corridas, as mesmas regras. O mais duro evento mundial onde o homem mais forte vence. Ninguém pode mudar isto. Especialmente não pode Travir Tygart.

Hoje eu virei a página. Não vou continuar com estre assunto, independentemente das circunstâncias. Vou empenhar-me no trabalho que comecei antes de ganhar qualquer Volta a França: servir as pessoas e famílias afectadas pelo cancro, especialmente em comunidades carentes. Em Outubro, a minha fundação celebra 15 anos de serviço para os sobreviventes do cancro e o objectivo de alcançar 500 milhões de dólares. Nós temos muito trabalho para fazer e eu estou a olhar em diante para o fim desta inútil distracção. Eu tenho responsabilidades perante todos aqueles que dedicaram o seu tempo e energia pela causa do cancro. Eu não vou deixar de lutar por esta missão. Avançando, eu vou dedicar-me ao crescimento dos meus cinco belos (e energéticos) filhos, lutando contra o cancro e tentando ser o mais saudável quarentão do planeta.


Tradução: Carro Vassoura

Legenda:
Travis Tygart é o responsável máximo da USADA

USADA – Agência Anti-Doping dos Estados Unidos
USA Cycling – Federação de Ciclismo dos EUA
UCI – União Ciclista Internacional
WADA – Agência Mundial Anti-Doping


Outros artigos sobre este caso:

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share