sexta-feira, 4 de abril de 2014

Volta a Flandres: percurso, favoritos, antevisão

Fabian Cancellara livrou-se de Sagan e arrancou para a vitória em 2013
Entramos em abril, o que é sinónimo de Volta a Flandres, uma das mais espetaculares provas de ciclismo. Fabian Cancellara parte como principal candidato à vitória no próximo domingo e ambiciona tornar-se num dos trivencedores, enquanto Tom Boonen ambiciona ser o primeiro tetravencedor da competição. Peter Sagan e Vanmarcke são outros dos ciclistas que elevam as expetativas sobre a 98ª "De Ronde". Que venha o espetáculo!

Percurso

A Volta a Flandres volta a sofrer mexidas significativas no seu percurso. Em 2012 o final alterou-se de Meerbeke, onde tinha lugar desde 1973, para Oudenaarde. O mítico Kapelmuur, um santuário para os adeptos flamengos, saiu do percurso e a decisão da corrida passou para a dupla de muros Oude Kwaremont-Paterbeg, sobretudo porque os organizadores conseguiram montar no Oude Kwaremont uma enorme tenda VIP. Os interessados podem reservar uma mesa na tenda VIP de Oude Kwaremont ao preço de quem reserva uma mesa num restaurante com estrela Michellin. Porque na Bélgica o ciclismo vende muito.

Não satisfeitos com o desenrolar da prova nos últimos dois anos, desta feita a alteração tem como objetivo tornar a corrida mais dura, com mais muros na parte final. Nos últimos 55 quilómetros serão oito colinas, entre eles o Koppenberg, este ano mais próximo da meta. Com apenas 600 metros de extensão, o que torna o Koppenberg especial é a inexistência de bermas, tornando-se praticamente impossível ultrapassar os ciclistas mais lentos. Quem ambiciona disputar os primeiros lugares, terá que entrar neste muro com a melhor colocação possível.

As duas subidas finais continuarão a ser Oude Kwaremont e Paterberg, de características bem diferentes. A primeira prima pela sua extensão ainda que seja pouco inclinada e a segunda prima pela sua inclinação ainda que seja curta.

Últimas dificuldades
-54.6 km: Oude Kwaremont (2,2 km a 4,2%, 11% máx)
-51.2 km: Paterberg (400m a 13,7%, 20% máx)
-44.6 km: Koppenberg (600m a 11,6%, 22% máx)
-40.5 km: Mariaborrestraat (setor de empedrado de 2 km)
-39.2 km: Steebeekdries (700m a 5,3%, 6,7% máx, sem pavé)
-36.8 km: Taaienberg (530m a 6,6%, 15,8% máx)
-26.5 km: Kruisberg (1,8 km a 5,3%, "apenas" parcialmente empedrado)
-16.7 kmOude Kwaremont (2,2 km a 4,2%, 11% máx)
-13.3 kmPaterberg (400m a 13,7%, 20% máx)
Meta



Refira-se que as distâncias e inclinações não são oficiais. Várias fontes indicam valores diferentes entre si.

Favoritos

Fabian Cancellara parte como o grande favorito. É a primeira vez que o suíço vai para a Volta a Flandres sem qualquer vitória prévia desde 2007, mas depois da exibição protagonizada no Prémio E3 de Flandres ninguém duvida que está numa forma soberba. Como se viu em 2011, essa poderá ser uma grande desvantagem para Cancellara, mas na Trek tem uma equipa melhor do que na altura tinha a Leopard, sobretudo com um Stijn Devolver em grande forma.

Tom Boonen começou a temporada ao seu nível no Qatar e venceu Kuurne-Bruxelas-Kuurne mas os problemas familiares que o afastaram de Sanremo e a lesão no polegar no Prémio E3 poderão prejudicar o seu desempenho. Sobretudo porque os muros obrigam a levantar o rabo do selim e apoiar o peso do corpo nos braços (e mãos). De qualquer forma, o quinto lugar na Gent-Wevelgem do domingo passado é animador para Boonen e a Omega Pharma-Quick Step, o bloco mais sólido à partida.

Com Zdenek Stybar, Niki Terpstra e Stijn Vandenbergh, Boonen tem à sua volta uma equipa de luxo e por norma a Omega Pharma funciona bem como bloco nestas provas. Se Boonen não estiver a 100%, pode dar-lhes liberdade para que um se lance na corrida e retire à sua equipa as responsabilidades da perseguição. Mas se Boonen estiver confiante, todos seguirão as instruções do líder.

Peter Sagan, segundo no ano passado, é outro dos grandes candidatos e o motivo é sempre o mesmo: é um dos homens mais rápidos em prova e um dos que melhor pode ultrapassar as dificuldades. No ano passado apenas Cancellara (e apenas no último muro) esteve melhor que o eslovaco.

E para finalizar esta segunda linha de favoritos, Sep Vanmarcke. Segundo no Paris-Roubaix do ano passado, o belga tem feito um arranque de 2014 excelente, sendo 4º no Omloop e na Gent-Wevelgem e 5º no E3, as três grandes clássicas de pavé já disputadas. E ainda que poucas vezes se o diga, Vanmarcke é um ciclista muito rápido. Não ao nível dos sprinters do Tour mas perfeitamente capaz de vencer ao sprint numa clássica deste tipo, como demonstrou quando bateu Boonen no Omloop 2012, a única prova de pavé que o Tornado Tom perdeu nessa temporada.

Na Sky, o vencedor do Omloop Ian Stannard é baixa de relevo depois da queda no E3, mas a equipa britânica conta com duas boas cartas para jogar: Geraint Thomas e Edvald Boasson Hagen.

Greg Van Avermaet, um dos mais regulares sobre os pavés nos últimos tempos mas ainda sem vitória, é um dos ciclistas que pode baralhar muito as contas nos muros, bem como Jurgen Roelandts, 3º no ano passado. Também Sylvain Chavanel e Luca Paolini.

Por fim há três sprinters que deverão estar na discussão dos primeiros lugares mas apenas numa corrida muito morta discutirão a vitória: John Degenkolb, Arnaud Démare e Alexander Kristoff. Para lutar pelo top-10 em Flandres "basta" ultrapassar os muros no grupo principal e ser rápido no sprint, mas para lutar pela vitória é necessário ser um dos melhores nos muros.

***** Cancellara
**** Sagan, Boonen e Vanmarcke
*** Stybar, Terpstra, Thomas e Van Avermaet
** Vandenbergh, Degenkolb, Roelandts, Hagen, Démare, Kristoff, Chavanel, Devolder e Paolini

Chave-da-corrida

Estará a Trek à altura de Cancellara? Irá a Omega Pharma apostar tudo em Boonen?

Caso a Trek esteja à altura do seu chefe-de-fila e mantenha a corrida controlada (como no ano passado) Cancellara apenas terá que se concentrar em atacar numa das últimas dificuldades. Por outro lado, se o suíço ficar desapoiado com toda a concorrência na sua roda como em 2011, terá a tarefa muito complicada, pois com o estatuto que tem é impossível surpreender. Todos sabem que vai atacar.

Quanto à Omega Pharma, não os imagino a ficarem todos com Boonen. Entre Stybar, Terpstra e Vandenbergh, alguém deverá ser lançado ao ataque já dentro dos últimos quilómetros e muito dependerá de quem se juntar à iniciativa.

Transmissão

O Eurosport começará a transmitir a Volta a Flandres às 11h30. A primeira passagem pelo Oude Kwaremont (1º muro dia dia) está agendado para as 11h55, a segunda passaram às 14h03, que é quando devem começar as movimentações mais importantes. Koppenberg às 14h16 e chegada às 15h16. Tudo isto, se os ciclistas cumprirem o melhor horário previsto pela organização, mas é de esperar alguns minutos de atraso.

Em Flandres...

A Bélgica é dividida em três regiões: Valónia, Flandres e Bruxelas-Capital. A língua oficial da Valónia (Wallonie) é o francês e a língua oficial de Flandres (Vlaanderen) é o holandês, frequentemente também chamado de flamengo (flemish), enquanto na região Bruxelas-Capital falam ambas, pelo que a cidade pode ser Bruxelles (francês) ou Brussel (holandês).

Uma vez que o ciclismo se enriquece com todas as línguas, do holandês ganhamos o termo berg (plural bergen) que significa "colina". Os "muros" que os ciclistas têm que ultrapassar em Flandres.

A alcunha da Volta a Flandres é "De Ronde", que significa "A Volta".

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share