sábado, 17 de janeiro de 2015

Começa 2015. É hora do espetáculo!

Tour Down Under 2014, na Austrália
Há vários dias que ciclistas europeus estão na Austrália e a mensagem é clara: a temporada está a começar. E o começo de temporada é coisa para demorar dois meses. As primeiras provas, no verão do hemisfério Sul, com o Tour Down Under (20 a 25 de janeiro) e San Luís (19 a 25); depois as primeiras provas na Europa, com os Trofeos de Maiorca e a GP La Marseillaise; seguem-se as primeiras provas para muitos dos grandes grande-voltistas, nas Penínsulas, Arábica ou Ibérica; no final de fevereiro a primeira Clássica, o Circuito Het Nieuwsblad; e finalmente o Paris-Nice, a primeira prova por etapas com maior importância. A época acaba de começar quando começa a Primavera das clássicas.

As confusões de início de ano, essas, duram até ao Tour. A Belkin agora é LottoNL-Jumbo, mas não é a antiga Lotto. A Lotto belga continua a ser a mesma, de Greipel, e a lotaria holandesa patrocina a ex-Belkin de Gesink e Vanmarcke. A Omega Pharma é agora Etixx-Quick Step e Etixx é uma marca de suplementos do grupo Omega Pharma. Pelo menos continua a ser Quick Step. A Shimano deixou de o ser. Agora é Giant-Alpecin e Alpecin é um produto para a queda de cabelo. Se é para promover cabelo, poucos o podiam fazer melhor que Kittel. Por fim, a Cannondale juntou-se à Garmim, mas tem mais de Garmin do que Cannondale. E vestem de preto com verde. Todos vestem de preto.

A Sky continua de preto com azul, a Cannondale está de preto com verde, a Etixx de preto com azul claro, a Giant simplesmente de preto, a Trek de preto com branco, a Movistar com o (tradicional) azul escuro, a IAM com o (também tradicional) azul ainda mais escuro. A IAM agora é World Tour, a Europcar não. Com tanto escuro, o equipamento da Ag2r até se faz bonito (ou, pelo menos, é fácil de reconhecer). De resto, se se sentir confuso, não tem problema. Ciclismo também é isto: decorar novos equipamentos e novos nomes de equipas.
(pode clicar nos nomes das equipas para ver os novos equipamentos)

Peter Sagan está agora na Tinkoff, Nacher Bouhanni na Cofidis e essas foram as maiores mudanças deste inverno. A Belkin perdeu Lars Boom para a Astana e Bauke Mollema para a Trek, Leopold Konig e Nicolas Roche foram para a Sky e Ivan Basso para a Tinkoff.

Tiago Machado foi para a Katusha e Mário Costa para a Lampre. Rui Costa e Nelson Oliveira, Sérgio Paulinho e Bruno Pires e Fábio Silvestre continuam nas suas equipas, Lampre, Tinkoff e Trek. André Cardoso fica no resultado da Cannondale-Garmin e José Mendes na Bora-Argon 18, que antes era NetApp. José Gonçalves e Ricardo Vilela foram para a Caja Rural, Edgar Pinto para a SkyDive Dubai e Ruben Guerreiro atravessa o Atlântico para a Axeon (ex-Bontrager e ex-Bissel). Das restantes mexidas, terá tempo para se inteirar durante as próximas semanas.

Ao longo de janeiro e fevereiro alguns ciclistas menos esperados vão somar um bom número de vitórias ou lugares de honra, causando surpresa, mas ao longo do ano vão desaparecendo. São os campeões de pré-época, que trabalharam muito no inverno para estar em grande forma. Todos os anos acontece.

Alberto Contador pretende correr o Giro e o Tour, enquanto Nairo Quintana, desta vez, centrar-se-á na Volta a França. Cadel Evans correrá o Tour Down Under e uma prova de um dia em sua homenagem, a 1 de fevereiro, depois retira-se. O Diabo já acabou carreira.

Em 2015 deixa de haver Ranking WorldTour e passa a haver um Ranking Mundial, para o qual todos os ciclistas e todas as provas contam. O que faz mais sentido.

O Carro Vassoura estará por cá para seguir o pelotão por mais um ano, conduzido da mesma forma. Sente-se, aconchegue-se, sinta-se bem-vindo e desfrute da corrida. É hora do espetáculo!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share