domingo, 15 de maio de 2016

Uma semana de Giro, os mesmos favoritos

Ao cabo da primeira semana de prova, não é fácil definir o mote para um resumo de um Giro que ainda tem tudo para definir.

Em cada uma das sete etapas em linha, a felicidade tem sorrido às equipas que mais a têm procurado e o domínio tem falado holandês, com vitórias das holandesas Lotto-Jumbo e da Giant-Alpecin (ainda que tenha licença alemã, a estrutura é holandesa) e das flamengas Etixx-Quick Step e Lotto-Soudal. Já no que toca às equipas voltadas para a geral, têm sido a Astana de Vincenzo Nibali e a Movistar de Alejandro Valverde as mais interventivas, com os seus chefes-de-fila também a tirarem vantagem até ao momento, enquanto Sky, Tinkoff e Katusha tentam passar mais sossegadas.

O contrarrelógio que poderia dar uma grande sacudidela na classificação geral, acabou por não ser significativo para quase ninguém. A exceção para os caídos Rigoberto Urán*, que perdeu dois minutos num terreno que há dois anos foi fundamental para o seu segundo posto, e Ilnur Zakarin, que à partida para o contrarrelógio me parecia o mais sério candidato a suceder a Alberto Contador. O russo, que vinha muito forte no primeiro ponto intermédio, foi vítima de, pelo menos, duas quedas e obrigado a, pelo menos, três paragens. Ainda assim, note-se como, mesmo depois da primeira queda, continuou muito determinado em recuperar tempo e sem mostrar medo das curvas. Se fisicamente estiver incólume, ainda poderá lutar pela vitória.

De Vincenzo Nibali, Alejandro Valverde e Rafal Majka esperava três contrarrelógios muito semelhantes e, apesar do polaco ter perdido um pouco mais de tempo, creio que nenhum tem grande coisa a lamentar relativamente às suas performances. A Movistar tem ainda Andrey Amador na terceira posição, à frente de todos os favoritos, e não sei se não seria boa ideia jogar com o costarriquenho. Apesar de ser inferior a Valverde, foi quarto no ano passado e pode ser uma arma para obrigar a Astana a maior desgaste.

A grande surpresa do dia foi Mikel Landa. Como aqui foi escrito na antevisão da prova, o espanhol começou a temporada da melhor forma, ou seja, doente. Se a doença do inverno 2014/15 serviu para uma espantosa evolução na montanha apresentada na primavera de 2015, a doença da coleção 2015/16 serviu para uma evolução enquanto contrarrelogista. Fez um grande contrarrelógio depois de prestações sofridas nas primeiras subidas do Giro e, se tiver a felicidade de adoecer no próximo inverno, ainda o poderemos ver a disputar o Paris-Roubaix de 2017.

Quem tem estado muito bem é Bob Jungels, ganhando tempo onde é teoricamente mais forte, o contrarrelógio, e perdendo tempo onde teoricamente é menos . Ainda assim, o jovem de 23 anos vai evoluindo e tem aqui uma excelente oportunidade para vencer a classificação da juventude, até porque o seu chefe-de-fila Marcel Kittel já abandonou. Separados apenas por um segundo, creio que ele e Gianluca Brambilla serão protegidos na mesma medida pela Etixx-Quick Step nas próximas etapas, uma Etixx que tem estado tão soberba e elogiável quanto a Lotto-Soudal. Brambilla é agora um forte candidato ao top-10.

Já a Lotto holandesa, que tem aparecido várias vezes na frente do pelotão, ainda que seja uma equipa habitualmente com mais ganas que eficácia, já tem a vitória do surpreendente Primoz Roglic (hoje ajudado por São Pedro) e Steven Kruijswijk na quarta posição da geral.

Entre os favoritos à partida, todos ainda estão dentro dos quinze primeiros da classificação geral, muito próximos. E parece que ainda falta muito, mas este Giro não tem assim tantas oportunidades para trepadores e, como mostra o passado recente, a qualquer momento se pode cancelar (ou alterar) uma das etapas mais aguardadas.

Classificação geral
1 Gianluca Brambilla (Ita) Etixx - Quick-Step 34:33:04  
2 Bob Jungels (Lux) Etixx - Quick-Step 0:00:01  
3 Andrey Amador (CRc) Movistar Team 0:00:32  
4 Steven Kruijswijk (Ned) Team LottoNl-Jumbo 0:00:51  
5 Vincenzo Nibali (Ita) Astana Pro Team 0:00:53  
6 Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team 0:00:55  
7 Tom Dumoulin (Ned) Team Giant-Alpecin 0:00:58  
8 Mikel Landa Meana (Spa) Team Sky 0:01:18  
9 Rafal Majka (Pol) Tinkoff Team 0:01:45  
10 Jakob Fuglsang (Den) Astana Pro Team 0:01:51  
11 Ilnur Zakarin (Rus) Team Katusha 0:02:09  
12 Domenico Pozzovivo (Ita) AG2R La Mondiale 0:02:28  
13 Esteban Chaves (Col) Orica-GreenEdge 0:02:31  
14 Diego Ulissi (Ita) Lampre - Merida 0:02:54  
15 Rigoberto Uran (Col) Cannondale Pro Cycling 0:02:56  
16 Ryder Hesjedal (Can) Trek-Segafredo 0:03:29  
17 Kanstantsin Siutsou (Blr) Dimension Data 0:04:08  
18 Stefano Pirazzi (Ita) Bardiani CSF  
19 Sergey Firsanov (Rus) Gazprom-Rusvelo 0:04:32  
20 Tanel Kangert (Est) Astana Pro Team 0:04:40

* Análise editada em virtude de Rigoberto Urán ter caído, o que não se viu nas imagens mas já foi confirmado.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Share